A beleza dos paramentos

19/02/2020

Por Frei Marcelo Aquino, O. Carm

Esse tema tende a parecer inútil logo de início, mas creio que poderá servir para transformar o pensamento de quem não conhece seu objetivo (do paramento). Aqui tentaremos dar a entender para que serve a beleza dos paramentos litúrgicos usados na Igreja.

Antes de tudo é sempre bom lembrar que o ato oficiado pelo sacerdote não é nada mais nada menos que a Divina Liturgia, portanto, coisa que se refere a Deus. E sabemos que nossa atitude diante de Deus deve ser de maior reverencia possível, e de oferecer o melhor àquele que nos chamou à vida, não que Deus não aceitaria nossa humilde prece feita com pano de chão ao invés de paramentos dignos, mas que procuramos manifestar na beleza do paramento a beleza que há nos céus.

Pessoas desavisadas, ou com pouco conhecimento sobre o assunto, geralmente apresenta um tipo de pensamento, que podemos classificar como relativista, sem querer ser duro demais, mas, os poucos entendedores da realidade mistério, que é a Igreja, não consegue compreender o porquê de tanta coisa bonita nos paramentos, e acham que é luxo e ostentação. Mas, aqui vamos no desenrolar destas linhas trazer à tona a real importância dessa beleza vista nos paramentos litúrgicos.

Pois bem, em primeiro lugar os paramentos são uma exigência bíblica, em nenhuma parte da escritura você encontrará a recomendação de os ministros de Deus devem usar paletó e gravata para ministrar o culto divino.

Então vamos ao que interessa, a beleza do paramento serve para exaltar a majestade de Deus, para quem o sacerdote se paramenta. Nós bem sabemos que Deus não cabe em nossa cabeça, pois Deus é infinitamente maior do que pensamos, sendo assim, na beleza, procuramos nos aproximar um pouco do mistério da vida divina, então procuramos trazer vários significados da fé na ornamentação dos paramentos, por exemplo o símbolo PX, que no paramento aparece evidentemente mais bonito que nesta simples digitação, significa, por este sinal vencerás! Os cachos de uva, simbolizam Jesus a videira do Pai, o pelicano significa, que Deus nos alimenta com sua própria carne em Jesus Cristo, a flor de lis, serve para simbolizar a pureza, mas também a realeza, não do

sacerdote, mas daquele a quem ele representa, também demonstra o poder de Deus, as letras A, significam que Deus é princípio e fim de tudo, de onde tudo vem e para onde tudo se converge.

Mas será que vamos falar de tudo menos daquilo que é o mais atacado nos nossos paramentos? O dourado, o dourado ou ouro, está associado à riqueza e majestade. Aqui faz-se necessário lembrar que a riqueza e majestade de Deus tem significado diferente do que o homem pensa sobre essas coisas, lembrando sempre que Deus não pensa como os homens, e lembrando que o ouro não é uma invenção do homem, o ouro é uma criação de Deus, logo, as coisas criadas por Deus podem ser usadas para prestar honra a seu Criador.

As rendas litúrgicas são mais uma forma de chamar a atenção às coisas divinas, percebam que normalmente as rendas trazem alguns símbolos, aqueles já supracitado, mas, na renda o simbolismo ganha força ainda maior, pois como se trata de desenhos brocados, tendem a levar a imaginação de quem ver a pensar no seu significado, o certo é que toda a beleza contida nos paramentos tem um único intento, remeter nossas mentes para as coisas celestes, levar nossos olhos a beleza divina, pois a beleza nos leva a Deus. Por isso nossas igrejas antigas são belas, pois, nos tempos de outrora, se pensava em tudo, até na distração das mentes, por isso, se permitia que as pessoas até se distraiam, mas, que seu distrair sirva para leva-las as coisas celestes, nos tirando sempre das coisas que nos dispersam de Deus.

Então são João Maria Batista Vianney, disse: "O sacerdote é um camponês que se veste de príncipe para oferecer dádivas a Deus", aqui independe do pecado do sacerdote, ele desde que seja ungido por um legítimo sucessor dos apóstolos, está apto a oferecer dádivas a Deus no Sacrifício da Santa Missa, da mesma forma daquele que consegue reprimir mais facilmente as más inclinações.

A pessoa pouco conhecedora do mistério que é celebrado no altar do sacrifício, não sabendo o que falam, exaltam a "simplicidade" do sacerdote que se paramenta de qualquer jeito para oferecer o sacrifício de nossa salvação ao autor da vida, Deus todo poderoso, e comentam, nossa que simplicidade! Ele só usa uma estola desbotada e uma túnica surrada, quanta humildade! Não sabendo ela, que aquilo é sinal de desleixo e não de virtude. O sacerdote que não se paramenta dignamente para oferecer dádivas a Deus, está em falta com o ofício exercido, por exemplo, a casula não é um paramento para missa

dominical, mas, para toda missa, seja ela de segunda ou domingo, desde que seja missa, ali se emprega o uso da casula. Aqui abro um adendo para comentar sobre erros cometido pelos sacerdotes na liturgia, muitos padres não usam casula nas santas Missas, mas usam em ocasião não propícia, tais como: casamentos, batizados e procissões. Ora, se não usa na missa, então não use nunca. O paramento para casamento, batizado e procissão chama-se capa de asperge, este paramento acompanhado da estola.

Enfim, a beleza dos paramentos tem uma razão de ser, então não diga que é um exemplo de simplicidade um padre não usar paramento belos para oficiar o sacrifício pascal de Cristo. A celebração do sacrifício pascal de Cristo, é a antecipação do que viveremos no céu quando formos participar das núpcias do cordeiro. Tudo na Missa nos leva a comtemplar as maravilhas de Deus na glória eterna, no apocalipse vemos toda a realidade da missa ali descrito, por que tanto incenso? Porque no céu é assim. Por que tanta roupa? Porque no céu é assim. E se formos falar de todos os detalhes, teríamos que fundar uma faculdade para falar só desses detalhes, que dizem muito aos nossos olhos.