Textos e Homilias
Aqui estão reunidos alguns textos, homilias e reflexões minhas acerca da sã doutrina Católica 

O real valor da Eucaristia

Por Frei Marcelo Aquino, O. Carm

A Divina Eucaristia, como dádiva para a vida dos homens. Nem o uso das palavras mais rebuscadas do dicionário é capaz de manifestar o real valor contido no Santíssimo Sacramento, vamos no decorrer destas poucas linhas tentar levar a cabo essa missão, mas, sem pretensão de encerrar os argumentos que nos encaminham para o pleno conhecimento da Majestade Divina, que é Jesus no Santíssimo Sacramento.

Como disse outrora, a Igreja é um mistério, e a Eucaristia é o centro desse mistério, pois como acreditamos, a Eucaristia dá a vida a Igreja. Existe um caminho, o qual podemos usar o termo cunhado por santa Teresa de Jesus, que é o caminho de perfeição, esse caminho se chama oração, é realmente a oração quem nos encaminha para os átrios de Deus, e é também a oração quem nos poderá ajudar a crescer no conhecimento da verdade contida no augustíssimo sacramento que nós maravilhosamente temos o acesso na Santa Missa, mas infelizmente muitos comungam sem, contudo, saber o que estão fazendo, e como podemos descobrir isso? Basta olhar a postura de quem comunga, não estamos aqui estimulando o julgamento, antes, essa orientação deve servir para nos corrigir em primeiro lugar, não para corrigir o outro, lembre-se sempre da máxima do Santo Evangelho, hipócrita primeiro tire a trave que está no teu olho, então poderás ver com clareza para tirar o cisco do olho do teu irmão.

Se percebe que as pessoas não estão com plena consciência do que seja a Santíssima Eucaristia quando ela não se confessa há anos, e, contudo, comunga em todas a missas, quando ela não sabe nem como receber a comunhão, vem como que com um alicate pegar a hóstia, existe também aquelas pessoas que pensam que receber a comunhão na boca é piedade demais, mas aqui eu faço uma pergunta, desde quando é errado tratar Jesus com piedade? Vemos então que os valores estão invertidos, a piedade é essencial na recepção da Santíssima Eucaristia, por isso existe o genuflexório, o genuflexório, não existe para outra coisa senão, para que possamos de joelhos reconhecer a realeza do Divino Salvador , mas infelizmente muita gente na Igreja acredita que vamos a Santa Missa para nos divertir, para nos sentir bem, para ver as pessoas, para passar o tempo, e assim se eu for enumerar, ficaremos dias dando exemplos de coisas que não devia ser o motivo de irmos à Santa Missa, o motivo principal de irmos a Santa Missa é prestar a Deus culto de louvor, adoração, ação de graças e de súplica. E aqui devíamos ter em mente que nossa súplica devia ser sempre em favor dos bens espirituais, e nunca em favor de bens materiais, pois nós não somos protestantes, embora muitos se comportem como se o fossem.

O protestante tem um objetivo claro diante de Deus: tirar tudo de material que for possível para ele, o católico deve ter em mente que nossa vida toda deve ser somente de súplica de perdão, pois Deus é tão maravilhoso, e nós tão desgraçadamente o ofendemos, Deus nos dá graças sem fim, e nós o trocamos por uma novela, por um futebol, por um jogo de baralho, por um banho de praia, por uma roda de conversas frívolas.

E por que devemos a Deus tributar somente pedidos de perdão? Porque nós não deveríamos pedir nada a Deus, pois ele nos deu tudo: Nosso Senhor Jesus Cristo, será que é necessário mais alguma coisa em nossa vida? Se a resposta for sim, é porque você não sabe o que é a Divina Eucaristia, no dia em que descobrirmos o seu real valor, vamos mudar totalmente nosso modo de pensar e de agir.

No dia em que a consciência a respeito desta dádiva de Deus para a vida humana for plena, então ninguém mais esquecerá de traçar o sinal da cruz quando passar em frente de uma Igreja Católica, ninguém vai passar defronte o sacrário sem fazer a genuflexão, ninguém vai ter a coragem de criticar o fiel que prefere comungar de joelhos e na boca, ninguém vai ter coragem de usar qualquer roupa para ir à Santa Missa, ninguém vai ter coragem de aceitar a auto comunhão, ninguém vai aceitar que o padre fique sentado e um ministro faça as vezes dele, ninguém vai achar normal que um ministro extraordinário prepare as oferendas no lugar do padre ou do diácono., e assim caros leitores eu ficaria aqui durante horas escrevendo coisas reprováveis que são inadmissíveis para uma pessoa que tem compreensão do seja a Divina Eucaristia, o pão que os anjos só podem adorar, e que só aos homens é dado o direito de se alimentar, o corpo de Jesus Sacramentado, alimento para alma, cura de nossas feridas, já dizia santo Tomás de Aquino, "Tanto possas, tanto ouses, em louvá-lo não repouses: sempre excede o teu louvor!", e mais ele diz essa verdade nobilíssima: "Faz-se carne o pão de trigo, faz-se sangue o vinho amigo: deve-o crer todo cristão".

A verdade é que a medida em que tomamos consciência da maravilha que é participar do Banquete do Cordeiro, nossa conduta de vida começa a ser refeita pelo amor que a Eucaristia nos impõe, depois de conhecer a Jesus Sacramento é impossível manter a vida velha, do homem velho, nós abraçamos a graça de Deus pela adesão a vida do homem novo.

Uma das coisas que mudará drasticamente em nossas vidas, é o modo como encaramos o sacramento da penitência, a partir desse momento nossa vida irá dá uma guinada em direção ao eterno, que nos sentiremos como que um pássaro que voa ao encontro do infinito, pois Deus nos cerca de carinho e proteção, deu-nos o tribunal da misericórdia, e nós fazemos pouco caso dele, Deus é o juiz misericordioso que nos chama a conversão e nos apresenta um novo plano de vida, o ato mais corriqueiro de Deus é te acolher na misericórdia pelo sacramento da penitência.

Então deixe de resistir ao amor de Deus e vá procurar um sacerdote católico e faça seu exame de consciência e em seguida confesse seus pecados, abale o inferno com sua confissão, mas agrade a Deus cause terror ao satanás, pois ele odeia quando você se confessa, pois sabe, que a confissão é o "passaporte" para participar do banquete que o Justo juiz lhe preparou. Mais uma vez recorremos ao doutor angélico "Se não vês nem compreendes, gosto e vista tu transcendes, elevado pela fé. Pão e vinho, eis o que vemos; mas ao Cristo é que nós temos em tão ínfimos sinais". Santo Tomás de Aquino, rogai por nós!

A cegueira espiritual

Por Frei Marcelo Aquino, O. Carm

O que leva a cegueira espiritual é uma pergunta que nos fazemos no decorrer da vida cristã católica. Essa resposta, no entanto, deve ser buscada com maior intensidade, para poder realizar as manobras possíveis das correções a fim de recolocar a vida espiritual em dia para o que venha o progresso espiritual.

Alguns passos são necessários para poder alcançar o caminho certo para poder conseguir curar a cegueira espiritual. A vida de oração precisa está bem ordenada, para que a pessoa possa de fato colocar o "trem nos trilhos", essa luta é árdua e deve ser perseguida diariamente por cada um daqueles que desejam a vida santa.

A cegueira espiritual, como o enunciado já disse, produz uma cegueira, e a pessoa com tal problema, não consegue enxergar nada de errado na vida dela mesma, mas consegue ver tudo o que tem de errado na vida dos outros.

O grande erro de não enxergar seus próprios erros e pecados, faz com que o penitente, siga denunciando os erros dos outros, como se ele fosse perfeito, essa cegueira impede que ele mesmo melhore, mas o impele a tentar ver o que de errado o outro faz.

Na verdade, para poder conseguir dar passos nesta luta, a pessoa precisa todos os dias ter em mente que suas primeiras palavras ao acordar devem ser, Jesus filho de Davi tem piedade de mim que sou pecador. É preciso se acusar de seus pecados a todo instante, assim, como devemos fazer na confissão sacramental. Essa atitude vai nos colocando na real situação em que nós nos encontramos, e nos pede a busca da solução desse problema espiritual.

O exercício da oração pessoal, a luta para resolver os entraves que impedem que eu cresça espiritualmente, devo ser constante, eu nunca devo me dar por vencido de que já alcancei o patamar que precisava para poder ser de fato um cristão católico autêntico.

Luta oração e sacrifícios, devem ser os instrumentos para podermos alcançar de deus tudo aquilo que precisamos para ser o que devemos ser para Deus, esse deve ser nosso objetivo, o que tinha que ser para o mundo já o somos, precisamos nos esforçar para ser o melhor para Deus.

A virtude teologal da esperança é um instrumento necessário para poder conseguir dar os passos na luta para sair da cegueira espiritual, mas munido dos instrumentos necessários, se deve começar urgentemente a combater o erro pela raiz. A vida espiritual será cada vez mais prodigiosa, à medida que o penitente sente desejo de sempre melhorar cada vez mais, quando ele cai no conformismo, dizendo o que eu faço já é de grande tamanho, aí reina o fracasso espiritual do qual todos nós devemos fugir.

Quando buscamos melhorar nossa vida espiritual, ganhamos um novo vigor, assim como aquele que sentimos ao sair do confessionário depois de fazer uma boa confissão sacramental.

A cegueira espiritual é um mal tão grande que faz com que a pessoa afunde em seus pecados sem nem ao menos perceber, e o pior é que o anjo da guarda da pessoa fica o tempo todo tentando faze-la perceber a situação em que se encontra e a cegueira não permite.

A intimidade com o anjo da guarda é muito importante para lutar contra esse mal, deve-se pedir sempre o auxílio do anjo da guarda para poder perceber a teia do mal que nos cerca e nos cega. Esse auxílio se consegue por meio da oração pessoal e da conversa na oração com o anjo da guarda, não precisa ser audível, mentalmente mesmo podemos pedir a ajuda do nosso anjo sempre.

O sentimento que toma nosso ser é de ser imensamente gratos a Deus, pois Ele nos cumula com seu amor, a cada absolvição recebida no sacramento da penitência. Mas esse sentimento deve nos impelir a buscar aprofundar a busca da vida santa, e não permitir que o sentimento de que já estou pronto, tome conta de mim.

Pelo contrário, o sentimento de gratidão a Deus pelo perdão recebido deve se converter em busca de uma vida de oração mais profunda, por isso é salutar fazer uma penitencia maior do que aquela recebida do sacerdote, se ele te mandou rezar um terço, reze dois, se ele te mandou ficar dois dias se assistir televisão, fique quatro, se ele te mandou ler um capítulo da sagrada escritura, leia dois ou três, e assim, vamos nos empenhando para ser mais próximos de Deus.

Outra forma muito benéfica para a alma é já começar a fazer algum tipo de penitencia antes mesmo de se confessar, isso para preparar o espírito para receber a dádiva da misericórdia.

Sem a luta espiritual, rezar incrementar a vida de oração, também ensinar quem não sabe a rezar e fazer leituras espirituais, é muito importante no processo de busca de uma vida interior mais intensa e longe dos pecados que tira nosso estado de graça e nos torna indignos de receber a santíssima eucaristia.

A relutância em frequentar o confessionário também contribui para que a cegueira espiritual se agrave, nenhum católico devia passar mais de um mês sem se confessar, para o próprio bem de sua alma, pois ao receber o remédio do perdão de Deus nos tornamos cada vez mais fortes para enfrentar a luta espiritual contra o pecado.

Muitas almas se perdem por acreditar que só porque nunca matou e nem roubou a ninguém, por isso não precisam se confessar e isso é uma coisa que alegra muito o satanás, pois ele quer que nós pensemos que somos perfeitos e muito bons, e na verdade sabemos que não o somos, a realidade é bem diferente disso.

Mesmo que não consigamos perceber a gravidade do nosso pecado, devemos sempre procurar o sacramento da penitência, mesmo que seja somente para confessar pecados veniais, não importa, não adie sua ida ao confessionário, antes se prepare, reze pelo seu confessor, reze pelos penitentes e por aqueles católicos que não tem o costume de se confessar, para que todos nós nos convertamos e passemos a buscar com mais frequência o tribunal da misericórdia divina.

A inquisição realmente existiu?

Por Frei Marcelo Aquino, O. Carm

 É inevitável que o nosso estudo proporcione outra resposta que não seja o sim, a inquisição existiu, ninguém em sã consciência diria o contrário, mas, a verdade dos fatos, revela que a história que chegou até nós sobre esse tema fora deturpada. Foi por volta do ano de 1233 com a bula papal Licet ad capiendos que surgiu o chamado Tribunal do Santo Ofício, o Tribunal da Inquisição como ficou popularmente conhecido. Instituído pelo Romano Pontífice Gregório IX, esse tribunal surgiu para barrar injustiças existentes no mundo acerca da condenação de pessoas sem que passassem por uma investigação e julgamento.

O que muita gente não sabe, ou fazem questão de não saber é que a inquisição não matou a população mundial como dizem os professores de "história", a verdade dos fatos é bem diferente. Aqui tentarei trazer à tona alguns dos acontecimentos distorcidos, não será possível falar de todos, pois precisaríamos de uma série de pequenos artigos, mas nos detenhamos em alguns relatos que nos mostram a deturpação da real história da inquisição.

Nossa primeira argumentação será sobre a inquisição numa determinada cidade da França chamada Toulouse, esta cidade francesa, que hoje conta com uma população de 441, 802, na época da inquisição tinha pouco mais de 200 mil habitantes, até aqui nada de extraordinário, se não complementasse a informação, dizendo que os "historiadores" ensinam em seus estudos que só nesta cidade francesa a inquisição ceifou a vida de mais de 3 milhões de habitantes, e aí nós descobrimos que realmente a verdade não está com tais historiadores. Será que algum matemático é capaz de resolver essa incógnita? Como será que faz para matar três milhões de pessoas num universo de pouco mais de duzentos mil?

Será que é sabido de todos que o objetivo da inquisição era fazer com que as pessoas saíssem de seus erros e fossem absolvidas? Não. É claro que não, os historiadores fazem questão de dizer que a inquisição era para que o papa ficasse feliz por matar muita gente, essa mentira tosca, é sustentada por muitos anos, eles não têm a mínima ideia de informar que o tribunal fora criado para barrar a injustiça, pois esse foi o primeiro tribunal na história da humanidade a exigir as provas de que a pessoa realmente era culpada, o tribunal fazia a investigação do crime e também não se tem interesse de tornar público e notório que o tribunal proibia o uso da tortura, essa informação provavelmente é irrelevante.

Outra informação omitida pelos "historiadores" é a de que a inquisição só julgava pessoas católicas, nenhuma pessoa não católica sofreu as penas daquele tribunal. Outra informação que também é tida como irrelevante, é que as condenações eram executadas pelo Estado e não pela Igreja, esta, nunca teve a autoridade de matar nem prender ninguém como aquele.

A maioria dos "condenados" recebiam as penas de rezar o terço, rezar ave Marias e fazer penitências. Sem falar nas várias tentativas dos padres de fazer com que o penitente se declarasse arrependido para livrar-se das penas.

Em 2016 o Vaticano abriu os arquivos para mostrar os registros oficiais do Tribunal do Santo Ofício, e tais documentos revelam que realmente a mentira dominou a mente dos historiadores e causaram grande prejuízo ao conhecimento humano ao longo de muitos séculos.

Mas por que será que estes mesmos historiadores esquecem de informar sobre a Inquisição Protestante? Será que eles a desconhecem? Não. Eles sabem muito bem de sua existência, mas, preferem esconder a verdade dos fatos, pois não são fiéis a verdade, mas preferem defender com unhas e dentes a "verdade" deles, produzidas por eles para atender puramente aos anseios deles.

Será que os "historiadores" não sabem que a inquisição protestante matou infinitamente mais pessoas que a católica? Não defendemos aqui a inquisição católica pelo simples fato de ter levado a condenação menos pessoas, não, não queremos ser levianos, aqui defendemos que um mal menor é tido como maior, ao passo que o mal maior é varrido para debaixo do tapete, a Inquisição foi um tribunal muito à frente de sua época, pois rejeitava absolutamente qualquer tipo de tortura para obter informações do indivíduo. A inquisição protestante matou só no Brasil no Estado do Rio Grande do Norte mais de 30 pessoas, os chamados protomártires do Brasil beatificados por são João Paulo II. Não é muito difícil entender, por que o holocausto que matou mais de seis milhões de pessoas, é, infinitamente, menos citado, que a Inquisição que não matou sequer 100 mil pessoas, mais uma vez lembrando, que o fato de ter levado a morte, menos de cem mil pessoas, seja o motivo de dizer que não foi uma coisa errada, mas é preciso ser fiel a Verdade.

A vida sobrenatural

Por Pe. Fr. Marcelo Aquino, O. Carm.

Todo católico deve ter em mente três grandes "ambições", ser melhor espiritualmente, aumentar sempre mais o amor por Deus e o desejo de ser santo. Sem essas "ambições", fica difícil dar passos largos na busca da vida sobrenatural, mas essa não busca deste estilo de vida se dá por causa do não conhecimento do que isso implica na vida do católico em seu caminhar.

A vida sobrenatural muito pouco conhecida e muito pouco buscada é aquela vida em que nossa união com Deus já está de tal forma sólida que conseguimos realizar atos que naturalmente não conseguiríamos realizar.

No progresso espiritual que precisamos alcançar podemos realizar esses atos que estão acima dos atos naturais. Por exemplo, Nosso Senhor Jesus Cristo conseguiu fazer quarenta dias de jejum, não foi somente por Ele ser Deus, mas também por sua união íntima com o Pai, pois, ele sendo Deus se fez um de nós, sendo assim, poderíamos dizer como Ele se tornou um de nós, portanto, como nós, Ele não poderá fazer atos sobrenaturais, e é ai que nos enganamos, porque mesmo sendo pecadores, mesmo sendo pobres mortais, nós podemos crescer de tal modo na intimidade com Deus que possamos realizar tais atos.

Outro exemplo de que todos nós podemos alcançar a vida sobrenatural são os santos Padre Pio e São João Maria Vianney, eles ficavam mais de dez horas no confessionário atendendo confissões sem comer e nem beber água, isso aos nossos olhos parece impossível, mas acontecia, outro exemplo foi à morte de são Lourenço, ele foi queimado vivo, e quando estava sendo assado na grelha depois de um tempo ele disse esse lado já está assado, agora virem para o outro lado, isso é uma prova contumaz que ele alcançara a vida sobrenatural.

E a história nos mostra quantas pessoas conseguiram alcançar isso, como, por exemplo, são Pio de Pieltrecina, São João Maria Vianney, Santa Maria Madalena de Pazzi, Santa Teresinha, Santa Gema Galgani e tantos outros santos e também centenas de cristãos católicos que não foram reconhecidos pela Igreja, como santo.

O santo rosário

Por Pe. Fr. Marcelo Aquino, O.Carm.

A tradição da recitação do santo Rosário é muito antiga na Igreja, essa prática é recomendada primeiro pela própria santíssima Virgem Maria, como pelos santos padres, como meio eficaz de se ganhar indulgências para o progresso espiritual que todos nós precisamos alcançar na vida católica.

A virgem Maria em várias de suas aparições tem renovado o pedido de que os católicos do mundo inteiro recorram a salutar oração do Rosário para obterem as graças necessárias para viverem seus deveres de estado.

No decorrer da história da Igreja foi o santo Rosário um grande aliado dos católicos no combate a grandes males que a humanidade sofria, foi com o santo Rosário que o papa são Pio V conseguiu vencer a batalha de Lepanto em 1571, o Romano Pontífice confiou a Nossa Senhora a vitória que necessitava a Europa quando o Império Otomano tentava invadir para expulsar o cristianismo e fazer dos povos cristãos novos muçulmanos, o papa recorreu ao Rosário convocando todo o mundo cristão e não somente a Europa, para travar uma cruzada de orações e eis que a vitória foi certa, no dia 7 de outubro Nossa Senhora expulsou os invasores das terras cristãs.

A Igreja, segundo o novo manual de indulgências do papa Paulo VI, concede uma indulgência plenária a quem reza o terço em família, nas condições habituais (ter se confessado recentemente, ter comungado e rezado pelo Papa).

O cristianismo é a religião da oração, é na oração que os cristãos se apoiam para obter de Deus os bens que necessitam, especialmente o bem do estado de graça e da perseverança final sem apostatar da fé verdadeira, a respeito disso nos disse o próprio Senhor, quem perseverar até o fim no caminho que eu indiquei, esse será salvo. (Mt 24, 13).

Portanto, meus irmãos, precisamos fazer uma nova experiencia de redescobrir a oração salutar do santo Rosário, essa oração pode ser nossa companheira de todos os dias, pois quem quiser obter a paz para a família, não deixe de recorrer ao santo Rosário.

Sabemos que o Rosário não é apenas o terço que a maioria dos cristãos rezam, mas três terços, meditando os mistérios Gozosos, Dolorosos e Gloriosos, formando assim uma coroa de cento e cinquenta rosas de orações a Santíssima Virgem, lembrando que os mistérios luminosos não fazem parte do Rosário, ( na própria instituição dos novos mistérios o papa nos diz: mas que são mais um motivo para rezar, O Papa João Paulo II, por meio da carta apostólica Rosarium Virginis Mariae, de 16 de outubro de 2002, sugeriu uma nova série de mistérios, os chamados Mistérios Luminosos. Essa nova série de mistérios disponíveis para contemplação não alterou o formato do Rosário, que continua sendo de 150 Ave Marias, ou três Terços de 50 Ave Marias com os 3 Mistérios: Gozosos, Dolorosos e Gloriosos), pois rezar nunca é demais, aliás precisamos muito mais de oração do que possamos imaginar.

É muito salutar o apostolado de dar e de ensinar as pessoas a rezarem o santo Rosário, é importante que quem tiver condições ofereçam sempre a alguém que não tenha, um terço como popularmente chamamos, para que se cresça ainda mais essa devoção tão querida pela santíssima Virgem Maria.

O Rosário ao contrário do que muita gente pensa, é uma oração cristológica, pois nele meditamos os mistérios de vida de Nosso Senhor Jesus Cristo, e por que também se fala de Nossa Senhora? Porque é impossível separar Maria Santíssima de seu Filho, Nosso Senhor Jesus Cristo.

Todas as vezes que presenteamos uma pessoa com um terço e ensinamos os que não sabem rezar a rezarem, agradamos muito o Imaculado Coração de Maria Santíssima, precisamos crescer neste amor e devoção, para podemos alcançar as graças de que necessitamos e para poder alcançar a conversão dos não católicos levando-os ao aprisco de Cristo.

Ninguém é tão pobre que não possa dar um terço a quem não tem, façamos essa experiencia e vejamos como Deus nos mostrará sua alegria em ver seus filhos reunidos em oração para estimular a amizade com Ele.

A bem-aventurada e sempre virgem Maria muito se alegra em ver que seus filhos se unem a ela para ajudar na salvação do mundo inteiro, que nós possamos nos empenhar em pescar almas para Nosso Senhor, busquemos testemunhar Jesus com a vida, para que cresça o número dos que serão salvos.

Nossa Senhora revelou a são Domingos de Gusmão que o terço é uma poderosa arma contra o satanás, pois bem, se nos sentimos soldados de Cristo Jesus, nos empenhemos em lutar pelo bem de sua Igreja e pelo triunfo do Imaculado Coração de Maria, para que todo homem reconheça o senhorio de nosso Deus, e toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a maior glória de Deus Pai.

Ao encontrar um sacerdote

Pe. Fr. Marcelo Aquino, O. Carm.

Muitas vezes na nossa vida deixamos muitas coisas importantes no que tange o espiritual passar despercebido. A seguir mostrei alguns exemplos.

São poucos os católicos que sabem do benefício espiritual de se usar por exemplo, o santo escapulário de Nossa Senhora do Carmo. Além disso desconhecem as obrigações e também o modo de usar. O escapulário deve ser usado no pescoço e tão somente no pescoço, nunca no braço ou no pé ou em qualquer outro lugar.

Quem usa o escapulário, deve rezar todos os dias três ave Marias além de suas outras orações pessoais, deve beijar o santo Bentinho todo dia ao acordar e invocar a Rainha dos Carmelitas.

Mas o objetivo principal deste pequeno texto é instruir os fiéis acerca do comportamento ao encontrar um sacerdote católico em seu caminho.

Deve-se ater que encontrar um sacerdote no seu caminho é uma benção de Deus para você, portanto, se deve imediatamente cumprimenta-lo pedindo a benção e não querendo beijar seu rosto, não se cumprimenta um sacerdote beijando o rosto e nem abraçando-o.

Ao pedir a bênção, o fiel deve responder Amém, quando receber a benção e não obrigado, como algumas pessoas respondem.

São Francisco de Assis disse que se em seu caminho encontrasse um anjo e um sacerdote, primeiro saudaria o sacerdote e em seguida, o anjo, pois embora o primeiro viva na presença de Deus, o segundo trás Deus para os homens.

É importante que os fiéis católicos tenham consciência de que a presença sacerdotal é de salutar importância para o progresso espiritual de um povo, disse certa feita são João Maria Vianney, deixe uma paróquia sem um cura e os fiéis viram bichos.

A assistência espiritual de um sacerdote é de grande valor para quem deseja alcançar a santidade desejada por Deus para todos os seus filhos.

Quando de fato, os fiéis tomarem consciência do milagre que Deus proporciona a humanidade pelas mãos do sacerdotes por meio da transubstanciação, eles irão enxergar melhor o homem de Deus e de certa forma tirar todo o proveito possível do ministério que Deus instituiu não para o próprio padre, mas para os outros, o sacerdote não é para si mesmo, mas exerce um ofício sagrado pela salvação das almas.

Rezai pelos sacerdotes, auxilia-os nos serviços da missão sacerdotal, colocai seus nomes em primeiro lugar nas orações e verás que Deus fará obras ainda maiores das que tem visto acontecer.

Por meio do sacrifício da santa Missa, o sacerdote, liberta almas do purgatório, dá alívio aos doentes, abre o caminho da conversão e instaura o Reino de Deus.

Os milagres que acontecem na santa Missa são incontáveis, talvez os anjos tenham a consciência, mas nem o próprio sacerdote tem como perceber toda chuva de graça que advém desse sacrifício ilibado.

Portanto, alegrai-vos e exultai quando em seu caminho encontrardes um homem de Deus que trás na veste de luto um grande não ao mundo e um fervoroso sim a Deus.

O sacerdote é um ministro de Deus, e deve se ocupar das coisas referentes a Deus, empenhando-se constantemente para melhorar o trabalho dedicado a Deus e a salvação das almas.

Pois o sacerdote é um homem sangrando que cuida de feridos, tendo essa imagem na nossa mente saberemos como agir com um ministro de Deus, e teremos condições de escolher entre condenar quem nos absolve ou rezar para que se reestabeleça sua dignidade sacerdotal.

Os fiéis no entanto, precisam entender que o sacerdote é um homem e isso significa que não podemos exigir dele coisas como se ele fosse Deus, assim como os leigos pecam, o sacerdote infelizmente também peca, e só pode se escandalizar do erro do sacerdote quem nunca cometeu nenhum pecado.

"Cada sacerdote, embora ordenado para ser um Pedro, conserva dentro de si a fragilidade da natureza de Simão. Descreve São Paulo a guerra civil que daí decorre entre Pedro e Sião"

Assim, como o sacerdote não deve se escandalizar ao ouvir confissões, infelizmente a humanidade é frágil e inclinada para o pecado, o que deve nos fazer mais sensíveis uns com os outros.

Porém, isso não significa apoiar ou aprovar o erro, o erro deve ser combatido, mas não se combate o erro matando o pecador, mas auxiliando-o na busca da correção.

Quem condena o sacerdote por seus erros, está agindo no lugar de Deus.

Como devo comungar

Por Pe. Fr. Marcelo Aquino, O. Carm.

O ato de ir à mesa da comunhão receber o santíssimo Corpo e Sangue Alma e Divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo é um ato que pode ter dois lados. O apostolo dos gentios nos ensina que quem comunga sem discernir, comunga a própria condenação.

São Tomás de Aquino nos diz que o corpo sacrossanto do Senhor traz vida e morte. Mas como entender isso? Ao afirmar que o santíssimo corpo de Nosso Senhor pode nos dar a vida e pode também nos trazer a morte, na medida em que estamos em estado de graça comungar nos faz um bem grandioso, mas se não, nos faz também um mau grandioso.

Portanto, se faz necessário orientar os fiéis como devemos nos preparar para poder participar do corpo de Cristo. A primeira e mais importante orientação, sem desprezar as seguintes, é que o fiel católico deve procurar o sacramento da confissão mais vezes durante o ano.

Muitas almas se perdem por acreditar que basta confessar-se antes da páscoa, mas a orientação da Igreja sobre isso nos diz que, Que devemos nos confessar PELO menos pela páscoa da ressurreição, o substantivo pelo menos, não significa somente, como a grande maioria das pessoas tem interpretado, mas essa interpretação também é usada ao bel prazer do fiel, por exemplo, a doutrina da Igreja nos ensina também, que devemos comungar Pelo menos pela páscoa da ressurreição, e aqui a minha pergunta, por que será que essa ultima orientação não é interpretada como a primeira? Ou seja, todos os dias do ano as pessoas comungam, aquelas que frequentam a missa diária, ou aquelas que vão aos domingos.

Tendo tomada a consciência da importância da confissão, passamos agora para as outras orientações também importantes e pertinentes, na vida espiritual dos fiéis católicos.

O mesmo pão que alimenta nosso espírito de saciedade de Deus pode de acordo com a nossa má conduta, nos esvaziar de Deus, pois depende de nossa disposição para poder oferecer seus efeitos mais eficazes para nossa alma, a graça bem faceja, pode nos conceder inúmeros benefícios, mas isso depende de nossa abertura para Deus, quando não nos esforçamos para preparar nosso coração para receber tão ilustre hospede, nos sentenciamos de uma grande condenação.

Portanto, não estando em estado de graça, não se aproxime nem do altar, busque o remédio da alma e se prepare para receber o santíssimo sacramento do altar, sem a devida preparação, é prejuízo receber o corpo de Cristo.

A oração pessoal é de grande valia para os fieis que comungam, ela deve ser mais presente na vida espiritual, é salutar que os católicos rezem o terço todos os dias, que façam alguma leitura espiritual dos escritos dos santos, que procurem fazer sempre algum tipo de penitência, que realizem obras de misericórdia, como visitar os doente e visitar o cemitério para rezar pelas almas do purgatório, também é de salutar importância, mandar celebrar missas em sufrágio das almas do purgatório.

Aos comungantes deve ser constante o esforço em nutrir amor a Deus, a Igreja e ao Santo padre, o papa. Esses três amores, nos abrem aos outros amores que devemos ter sobretudo a Nossa Senhora e aos irmãos. Se esforçar para ser amoroso com as pessoas é tentar demonstrar o amor de Deus que cada um de nós recebeu.

Também é importante no exercício da vida espiritual, fazer doações de terços para quem não tem, e ensinar quem deseja aprender a rezar, todas essas ações nos preparam para participar dignamente da comunhão.

Na Igreja se faz necessário, ter bastante contenção de espirito, o que vem a ser isso, bastante concentração, o ideal é está o mais próximo do altar possível, para que outras coisas ao redor não tomem nossa atenção. Na hora do pai nosso, o ideal é não dar as mãos, mas rezar contritamente de mãos postas, fazer alguns momentos de adoração durante a missa, passar mais tempo de joelhos.

Para quem tem problema com a concentração, o ideal é rezar sempre de joelhos, o está de joelhos é gesto de piedade e submissão a Deus, estamos dizendo com aquele gesto, eu me submeto a Deus em tudo, lembre-se do sacrifício de Abraão, ele não excitou em oferecer o próprio filho em sacrifício, porque foi Deus quem pediu, na verdade Deus pediu para ver o que ele seria capaz de fazer, é tanto que Deus não deixou consumir o sacrifício, mas ofereceu uma ovelha no lugar de seu filho.

Ao pensarmos nestas coisas, estamos caminhando para uma mais devota e contrita comunhão. Ao chegar o momento ápice da santa Missa, antes de ir à fila da comunhão, mais uma vez peça perdão de seus pecados, e até das distrações ocorridas, durante a santa Missa.

Chegando seu momento, receba a comunhão diretamente na boca, e se possível de joelhos. Tudo isso para manifestar nossa compreensão do sagrado, a realeza de Nosso Senhor Jesus Cristo.

Mesmo depois da comunhão, ainda precisamos fazer atos de piedade cristã, a nossa ação de graças por participar deste momento único na nossa vida, receber o sacrossanto corpo de Nosso Senhor, é uma dádiva dos céus, corpo e sangue do Senhor nos alimentam e sustentam no caminho do céu.

Se Elias se sentiu revigorado depois de comer pão e beber água e se pôs a caminho na luta em favor de Deus, muito mais nos fortalece o pão dos céus, a verdadeira comida e verdadeira bebida.

Comungar é tão celestial, que devíamos voltar para casa saltitando de alegria por ter tido esse encontro íntimo com o Senhor na Santa Missa.

As conversões ao Catolicismo

Por Pe. Fr. Marcelo Aquino, O. Carm.

O universo das conversões, o costume de se converter, não é novidade na história da humanidade, todos os dias acontecem conversões em todas as religiões, aqui, porém se apresenta um problema, será que são verdadeiras mesmo essas tais conversões? Na verdade o que significa se converter?

Converter é mudar, mudança de vida, mudança de percurso. Para os ignorantes, converter-se significa mudar de igreja, mas isso não é conversão de verdade, a pessoa pode mudar de igreja, mas continuar sendo a mesma pessoa de antes da "conversão", como na verdade o processo de conversão vai muito mais além do que uma simples mudança de igreja.

Portanto, tomando posse do verdadeiro significado de conversão, vamos descobrir que dentro da Igreja tem muita gente que precisa de conversão, mas veja bem, isso não significa que essas pessoas precisam deixar de serem católicas, mas que precisa mudar de vida, ele se diz católico, mas vive como se fosse pagão, se diz católico, mas vive como se fosse protestante, rejeitando pontos essenciais da fé católica, como por exemplo, a pessoa diz que é católico, mas, não crer na eficácia do sacramento da reconciliação e diz: eu me confesso diretamente com Deus, pois bem, alguém precisa dizer a essa pessoa que ele é um herege, dizer isso é um ato de caridade, pois a pessoa precisa cair em si, e ver que isso é mentalidade protestante.

Como disse o padre Antônio Vieira: "antigamente convertíamos os pagãos para batizá-los, hoje somos convidados a converter os batizados", pois, embora à pessoa seja batizada, isso é garantia de que ela sabe os fundamentos da nossa fé? Isso não significa que ela sabe por que é católica. Ou seja, na verdade a pessoa nem sabe o que é ser católico, ela pensa que ser católico é fazer o sinal da cruz com a mão esquerda quando passa na frente de uma Igreja Católica. (como na verdade o modo certo é fazer o sinal da cruz com a mão direita) Mas ser católico é infinitamente muito mais que tudo isso.

A conversão existe em todos os credos, diferentemente do que pensam os protestantes, não só "católicos" viram protestantes, como também e em maior escala, protestante se tornam católicos, pois no protestantismo, quando um pastor se torna católico, geralmente ele arrasta atrás de si, toda a sua "igreja", pois, no protestantismo se segue mais ao pastor que ao próprio Jesus, e assim temos diversos relatos de pastores que se converteram e toda aquela "igreja" veio com ele.

Existem muitas pessoas que pensam que são católicas, mas na verdade não o são, pois negam as verdades da fé, acreditam piamente que o papa pelo fato de ser papa tem o direito de mudar a doutrina da Igreja, ora, a doutrina da Igreja é infalível e irrevogável, um papa não pode dizer que agora podemos ordenar mulher, pois isso não faz parte do mandato divino, um papa não pode dizer que todos os caminhos levam a Deus, pois se disser estará fazendo oposição a Nosso Senhor que disse: Eu sou o caminho a verdade e a vida, ninguém vai ao Pai se não por mim. (Jo 14,6).

Se verificarmos que entre nós há católicos que negam a existência do inferno, precisamos corrigir essa falha no conhecimento deste pobre miserável, pois Nosso Senhor nos diz: Não tenhais medo daqueles que matam o corpo, não podendo fazer mais que isso. Vou mostrar-te a quem deveis temer: temei aquele que, depois de tirar a vida, tem poder de lançar-vos no inferno. (Lc 12, 5).

No entanto, é preciso refletir bem o valor dessas conversões, pois, muitos protestantes se tornam católicos, e quer tornar a Igreja Católica, protestante, isso significa que aquela pessoa não se converteu verdadeiramente. Por exemplo, existe uma pessoa que diz que se converteu em católico, mas diz eu não uso crucifixo, e se uso, quero sem Jesus, está mais que evidente que essa pessoa não se converteu verdadeiramente, ela está ainda contaminada pela mentalidade danosa dos protestantes.

Quando uma pessoa se converte verdadeiramente ao catolicismo, primeiro ela busca em primeiro lugar, reeducar a sua fé, passa a fé a limpo, corrige os desvios, eu não posso ser católico e dizer, Maria é mãe de Jesus, mas não mãe de Deus. Isso é uma grande heresia, é dizer que Jesus não é Deus, e nós sabemos verdadeiramente que Jesus é verdadeiro Deus e verdadeiro homem.

Um dito católico convertido, não pode sustentar a tese de que a Igreja Católica não é a única Igreja de Cristo, pois isso é trair os santos Evangelhos. Nosso Senhor fundou uma só Igreja e a essa deu são Pedro como governante, e além de dá o governo da Igreja Nosso Senhor fez mais, ele deu também as chaves do Reino dos Céus.

Como pode um católico dizer que as outras "igrejas" também são de Jesus? Se isso acontece é porque esse dito católico precisa urgente se converter, precisa urgente ser catequisado, ou então ser excomungado. A sagrada Escritura nos diz que quando uma pessoa advertida de seu erro prefere persistir nele, deve ser tratada como um pecador público, ou seja, um excomungado.

Na verdade nós todos precisamos de conversão, o católico que não se reconhece necessitado de conversão é porque está obstinado no pecado da soberba, só a partir do momento que nos reconhecemos necessitados de conversão, é que nos abrimos à ação de Deus em nossa vida. Portanto, existem muitos católicos que precisam de conversão, na verdade todos os católicos precisam, pois ninguém está pronto para adentrar na morada eterna.